Espírito de Profecia

O Natal é uma festa cristã?

 
o_natal_eh_uma_festa_crista

Na Igreja Adventista, como em outras igrejas evangélicas, há diferentes posições sobre se deve celebrar ou não o Natal, e em caso de celebrá-lo, sobre como fazê-lo.

Alguns consideram que não se deve comemorar o Natal porque é impossível determinar a data exata do nascimento de Jesus. Tudo indicaria que definidamente Jesus não nasceu no dia 25 de dezembro. É muito pouco provável que Jesus tenha nascido no final de dezembro. Segundo Lucas 2:8, os pastores estavam pernoitando no campo, algo que não se fazia no inverno. Além disso, as autoridades nunca haveriam ordenado um censo nessa estação (Lc 2:1). É interessante destacar que a data de 25 de dezembro já existia como festividade natalícia antes da vinda de Jesus. Correspondia no calendário juliano ao solstício de inverno. Daí que os romanos celebraram o aniversário do Sol nesse dia.
Nas Escrituras Sagradas, não encontramos nenhuma referência que nos indique a necessidade de celebrar a data do nascimento de Jesus. A Bíblia é muito clara na necessidade de guardar os dez mandamentos, que incluem a observância do sábado como dia do Senhor. Esse é o único dia que biblicamente requer respeito.

Nos Escritos da Irmã Ellen White, encontramos umas 26 alusões diretas acerca do Natal. Alguns leem em seus escritos uma rejeição categórica, ao centrar-se somente em algumas de suas citações, como as duas a seguir. “Ele [Deus] ocultou o dia preciso do nascimento de Cristo, para que o dia não recebesse a honra que devia ser dada a Cristo como Redentor do mundo – Aquele que deve ser recebido, em quem se deve crer e confiar como Aquele que pode salvar perfeitamente todos os que a Ele vêm. A adoração da alma deve ser prestada a Jesus como o Filho do infinito Deus” (Review and Herald, 9 de dezembro de 1884). “Que não haja muitas pressões ambiciosas para adquirir presentes no Natal e Ano Novo. Pequenos presentes para as crianças não são importunos, mas o povo do Senhor não deve despender Seu dinheiro na aquisição de presentes caros” (Olhando para o Alto, p. 366).

No entanto, lendo todas as citações que falam do Natal, podemos perceber uma orientação clara quanto à possibilidade da celebração com certas condições. Ellen White escreve o seguinte: “Pelo mundo os feriados são passados em frivolidades e extravagância, glutonaria e ostentação… Milhares de dólares serão gastos de modo pior do que se fossem lançados fora, no próximo Natal e Ano Novo, em condescendências desnecessárias. Mas temos o privilégio de afastar-nos dos costumes e práticas desta época degenerada; e em vez de gastar meios meramente na satisfação do apetite, ou com ornamentos desnecessários ou artigos de vestuário, podemos tornar as festividades vindouras uma ocasião para honrar e glorificar a Deus” (O Lar Adventista, p. 480).

“Deus muito Se agradaria se no Natal cada igreja tivesse uma árvore de Natal sobre a qual pendurar ofertas, grandes e pequenas, para essas casas de culto. Tem chegado a nós cartas com a interrogação: Devemos ter árvores de Natal? Não seria isto acompanhar o mundo? Respondemos: Podeis fazê-lo à semelhança do mundo, se tiverdes disposição para isto, ou podeis fazê-lo muito diferente. Não há particular pecado em selecionar um fragrante pinheiro e pô-lo em nossas igrejas, mas o pecado está no motivo que induz à ação e no uso que é feito dos presentes postos na árvore.”

“A árvore pode ser tão alta e seus ramos tão vastos quanto o requeiram a ocasião; mas os seus galhos estejam carregados com o fruto de ouro e prata de vossa beneficência, e apresentai isto a Deus como vosso presente de Natal. Sejam vossas doações santificadas pela oração.”
“As festividades de Natal e Ano Novo podem e devem ser celebradas em favor dos necessitados. Deus é glorificado quando ajudamos os necessitados que têm família grande para sustentar.”

“Não devem os pais adotar a posição de que uma árvore de Natal posta na igreja para alegrar os alunos da Escola Sabatina seja pecado, pois pode ela ser uma grande bênção. Ponde-lhes diante do espírito objetos benevolentes. […]”

“Os mais ricos também devem mostrar interesse e apresentar seus donativos e ofertas proporcionalmente aos meios que Deus lhes confiou. Que se registre nos livros do Céu um Natal como jamais houve em virtude dos donativos que forem dados para o sustento da obra de Deus e o reerguimento do Seu reino” (O Lar Adventista, p. 482, 483).

“Sendo que o dia 25 de dezembro é observado em comemoração do nascimento de Cristo, e sendo que as crianças têm sido instruídas por preceito e exemplo que este foi indubitavelmente um dia de alegria e regozijo, será difícil passar por alto este período sem lhe dar alguma atenção. Ele pode ser utilizado para um bom propósito. […] O desejo de divertimentos, em vez de ser contido e arbitrariamente sufocado, deve ser controlado e dirigido mediante paciente esforço da parte dos pais. Seu desejo de dar presentes deve ser levado através de puros e santos canais e feitos resultar em bênção ao nosso próximo graças à manutenção do tesouro na grande e ampla obra para a qual Cristo veio ao mundo. […]”

“As festas estão chegando rapidamente com sua troca de presentes, e jovens e idosos estão estudando intensamente o que poderão dar a seus amigos como sinal de afetuosa lembrança. É agradável receber um presente, mesmo simples, daqueles a quem amamos. É uma afirmação de que não estamos esquecidos, e parece ligar-nos a eles mais intimamente. …”

“Está certo concedermos a outros demonstrações de amor e afeto, se em assim fazendo não esquecemos a Deus, nosso melhor amigo. Devemos dar nossos presentes de tal maneira que se provem um real benefício ao que o recebe. Eu recomendaria determinados livros que fossem um auxílio na compreensão da Palavra de Deus ou que aumentem nosso amor por seus preceitos. Provede algo para ser lido durante esses longos serões de inverno” (O Lar Adventista, p. 478, 479).

“Ao final de minha longa jornada pelo leste, cheguei a meu lar em tempo de passar as vésperas de Ano Novo em Healdsburg. O salão do colégio havia sido preparado para uma reunião da Escola Sabatina. Ciprestes entrelaçados, folhas de outono, pinheirinhos e flores haviam sido arrumados com gosto; e um grande sino de folhas pendia da arcada da porta para a entrada do salão. A árvore estava bem carregada de donativos, os quais deviam ser usados em benefício dos pobres e ajudar a comprar um sino. … Nesta ocasião nada foi dito ou feito que sobrecarregasse a consciência de alguém.”

“Um dos presentes me disse: ‘Irmã White, que pensa disto? Está em harmonia com nossa fé?’ Respondi-lhe: “Com a minha fé está.’” (O Lar Adventista, p. 504).

A esta altura provavelmente o leitor esteja se perguntando se podemos celebrar o Natal ou não. Em resumo, poderíamos dizer o seguinte: Não temos nenhuma dúvida que na ocasião do Natal não deveríamos egoisticamente pensar simplesmente em nós, sendo intemperantes e glutões, mas pelo contrário, é o momento de agradecer a Deus porque Ele enviou o Seu Filho ao mundo para nos salvar, independentemente da data exata na qual Jesus nasceu.

Também estamos seguros de que é uma ocasião extraordinária, para trabalhar pelas pessoas que nessa oportunidade estão mais dispostas a que lhes falemos do amor de Deus. Também é uma excelente data para realizar um trabalho a favor dos que sofrem, como a Igreja Adventista do Sétimo Dia tem feito com o projeto “Mutirão de Natal”.

Pr. Carlos Hein – Conselheiro

WordPress Image Lightbox Plugin