Música

O Uso Eficaz da Música na Experiência de Israel

O cântico como parte do culto religioso, é um ato de adoração, tanto como a prece.

O cântico como parte do culto religioso, é um ato de adoração, tanto como a prece.

O USO EFICAZ DA MÚSICA NA EXPERIÊNCIA DE ISRAEL

Os Cânticos fixavam lições na mente – Enquanto o povo viajava pelo deserto, muitas lições preciosas se lhes fixavam na mente por meio de cânticos. Na ocasião que se livraram do exército de Faraó, toda a hoste participou do canto de triunfo. Ao longe, pelo deserto e pelo mar, ecoava o festivo estribilho, e as montanhas repercutiam as modulações de louvor: “Cantai ao Senhor, porque sumamente Se exaltou.”( Exo. 15:21). Muitas vezes na jornada se repetia este cântico, animando os corações e acendendo fé nos viajantes peregrinos. Os mandamentos, conforme foram dados no Sinai, com promessas de favor de Deus e referências às Suas maravilhosas obras em seu livramento, foram por direção divina, expressos em cânticos e cantados ao som de música instrumental, sendo devidamente acompanhados pelo povo.

Assim, elevavam-se seus pensamentos acima das provações e dificuldades do caminho; abrandava-se, acalmava-se aquele espírito inquieto e turbulento; implantavam-se os princípios da verdade na memória; e fortalecia-se a fé. A ação combinada ensinava
ordem e unidade, e o povo era levado a um contato mais íntimo com Deus e um com os outros. Educação, p.p. 38 e 39.

Fazia parte do Currículo nas escolas de profetas – Tanto nas escolas como nos lares, grande parte do ensino era oral; todavia os jovens também aprendiam a ler os escritos hebraicos, e os rolos de pergaminho das escrituras do Antigo Testamento eram abertos ao seu estudo. Os principais assuntos nos estudos destas escolas eram a Lei de Deus, com as instruções dadas a Moisés, história sagrada, música sacra e poesia. Educação, p. 47.

O propósito da Música – Fazia-se com que a música servisse a um santo propósito, a fim de erguer os pensamentos àquilo que é puro, nobre e edificante e despertar na alma devoção e gratidão para com Deus. Que contraste entre o antigo costume e os usos a que muitas vezes é a música hoje dedicada! Quantos empregam esse dom para exaltar o “eu”, em vez de usá-lo para glorificar a Deus! O amor pela música leva os incautos a unir-se com os amantes do mundo nas reuniões de diversões aonde Deus proibiu a seus filhos irem. Assim, aquilo que é uma grande bênção quando devidamente usado, torna-se um dos mais bem sucedidos fatores pelos quais satanás distrai a mente, do dever e da contemplação das coisas eternas.

A música faz parte do culto de Deus, nas cortes celestiais, e devemos esforçar-nos em nossos cânticos de louvor, por nos aproximar tanto quanto possível da harmonia dos coros celestiais. O devido adestramento da voz é um aspecto importante da educação, e não deve ser negligenciado. O cântico como parte do culto religioso, é um ato de adoração, tanto como a prece. O coração deve sentir o espírito do cântico, a fim de dar a esse a expressão correta. Patriarcas e Profetas, p. 594.

Olhando para trás – A viagem a Jerusalém, daquela maneira simples, patriarcal, por entre as belezas da primavera, as opulências do verão, ou a glória de um outono amadurecido era um deleite. Com ofertas de gratidão vinham eles, desde o varão de cabelos brancos até a criancinha, a fim de se encontrarem com Deus em Sua santa habitação. Enquanto viajavam, as experiências do passado, as histórias que tanto velhos como jovens ainda amam tanto, eram de novo cantadas às crianças hebréias. Eram cantados os cânticos que os haviam encorajado na peregrinação do deserto. Os mandamentos de Deus eram entoados em cantochão e, em combinação com as abençoadas influências da natureza e da amável associação humana, fixavam-se para sempre na memória de muita criança e jovem. Educação, pp. 41 e 42.

Conselhos Sobre a Música

Ellen G. White
Compilado por: Arthur L. White

O povo do advento, qual peregrinos neste mundo, avança em direção a um mundo melhor. O futuro parece irromper já no presente; pois seu coração transborda de júbilo e sua experiência se reflete em seus cânticos. Embora não se questiona a importância da música na experiência cristã, discussões têm surgido quanto ao critério de sua seleção. – Deveríamos entoar apenas hinos tradicionais do cristianismo ou poderíamos acompanhar também a evolução musical de nossos dias? É a escolha da música uma questão individual ou existem critérios a serem seguidos?
A questão se afigura realmente complexa e de difícil solução; mas, nesta compilação podem ser encontrados alguns princípios relevantes, extraídos dos escritos de Ellen White, que permitirão uma avaliação mais detida do assunto, provendo critérios adequados para a seleção da música ouvida e executada em nosso meio.

Alberto Ronald Timm
Diretor Associado do White Estate

 

 

WordPress Lightbox