Aventureiros

Prevenindo o Abuso contra crianças

Fazendo a Diferença

Todos os pais ficam zangados com os filhos de vez em quando. É quando perdemos o controle de nossas emoções e ações que nos tornamos prejudiciais a nossos filhos. Este seminário irá considerar o que pode acontecer na vida dos pais que vão além do ficar aborrecidos. Não queremos aqui condenar, apenas oferecer compreensão sobre o que pode acontecer em nossa vida e que nos pode levar a ferir nossos filhos. O que os pais, o Clube e a comunidade podem fazer? O que cada um de nós pode fazer para contribuir e garantir que este mundo seja um lugar melhor para as crianças?

Ao ler essas informações busque conhecer todos os meios para conduzir corretamente as crianças e ajudar as pessoas da comunidade e igreja a serem modelos a fim de que as crianças sejam mais semelhantes a Jesus. Elas vêem a Deus por meio de nosso comportamento.

O valor das crianças aos olhos de Deus

Jesus Disse: “Deixai os pequeninos, não os embaraceis de vir a mim, porque dos tais é o reino dos céus” (Mateus 19:14, Marcos 10:14, Lucas 18:16). As crianças são dádivas preciosas de Deus. Deus as deu a nós para conduzi-las e aconselhá-las; e por sua vez a inocência e pureza delas podem nos mostrar a face de Deus. Nos dias de Jesus, como muitas vezes é o caso em nossos dias, as crianças eram consideradas como propriedade do pai; mas Jesus as apresentou como modelo para os adultos que desejam conhecer a verdade. Jesus não via as crianças com o mal inerente – devido ao pecado original devem apanhar para “ganhar o reino” – ou Ele não teria dito que a elas pertencem o reino do céu.

Um verso que as pessoas muitas vezes usam para apoiar sua posição de bater nos filhos é: “Poupe a vara e estrague a criança”. Esse verso se refere à vara do pastor, como no Salmo 23, cuja utilização era para confortar. A “vara” deveria ser usada para conduzir e dirigir, não para ferir as crianças. Instruir, aconselhar, conduzir, guiar, dirigir, confortar, amar as crianças certamente não deveriam ser poupados, mas dados em grande medida.

Paulo discute a paternidade ao repetir o mandamento: “Honra a teu pai e a tua mãe”, então exorta os pais a não irarem os filhos, mas a criá-los na “disciplina e instrução do Senhor”. Provavelmente, Paulo estivesse tentando corrigir a má compreensão dos pais que praticavam o abuso como parte do poder e autoridade de seu papel paterno. (de Marie Fortune, Working Together, outono de 1983).

Veja outros artigos:

 Disciplina X Abuso

Por que os pais abusam de seus filhos

Características comuns dos pais que maltratam seus filhos

Características da criança que sofre abuso

 

WordPress Lightbox Plugin