Serviço Voluntário Adventista

Diário Voluntário 5 – Rafael

Olá, meu nome é Rafael  e hoje é meu último dia como voluntário na divisão sul-americana.

 

Rafael Simão

Minha história inicia quando comecei a frequentar um centro de influência da minha igreja chamado Espaço Novo Tempo de Fortaleza. Lá conheci pessoas que diretamente e indiretamente trabalham com o objetivo de ajudar. No início, visitava orfanatos, moradores de rua e ajudava nos estudos bíblicos, mas isso já não estava sendo suficiente para mim, queria fazer mais.

 

Atividades realizadas pelo Espaço Novo Tempo de Fortaleza

 

Acabei conhecendo através de um amigo do Espaço Novo Tempo o Serviço Voluntário Adventista e me inscrevi para ser um voluntário. No começo eu queria ser voluntário no Egito ou na Inglaterra, porém de alguma maneira o Coordenador do SVA da divisão sul-americana viu o meu currículo e me fez o convite para ser voluntário diretamente no escritório do SVA e eu aceitei.

Escritório do SVA

 

A princípio quando eu cheguei no voluntariado, eu deveria trabalhar apenas com o objetivo de enviar voluntários e ajudar na criação de projetos de voluntariado para todo o mundo, que na maioria das vezes são destinados a escolas, universidades e hospitais. Mas acabei trabalhando mais na parte de promoção e mídia do SVA.  Acabei fazendo coisas que eu nunca imaginei fazer, como: dublar vídeos, editar revistas, traduzir diversos materiais de voluntariado, participar de feiras de saúde, reformar escolas, entre outras coisas que nem me lembro mais.

Centro de Mídia da DSA em uma transmissão web

Editando vídeos

Feira de Saúde

Mas a melhor parte mesmo para mim não foi trabalhar exatamente no escritório do SVA, mas sim conhecer realmente como funciona a Igreja e as pessoas que trabalham para a Missão. Conheci pessoas extraordinárias de diversos setores e países da Divisão, pessoas que me acolheram não só como um colega de trabalho mas também como colega de quarto, amigo, filho e irmão.

Foram essas mesmas pessoas que na metade do meu voluntariado estiveram comigo me apoiando de todas as maneiras no momento mais triste da minha vida, quando nos dia dos pais eu acabei perdendo o meu. Tenho certeza, que quando eu vim ser voluntário, Deus estava me preparando e  me colocando no lugar exato, com as pessoas certas para que eu pudesse suportar este momento.

Tive algumas outras dificuldades que qualquer voluntário tem quando está na missão, mas com certeza foi um ano muito abençoado por mim. Ao olhar no mapa e saber que de alguma forma eu consegui mesmo que indiretamente participar de projetos na Itália, Ucrânia, Chile, Uruguai, Honduras, Madagascar, EUA, Mongólia, entre outros países. Faz-me sentir muito feliz e desejar que de alguma forma eu consiga trabalhar com a missão para o resto da minha vida.

Kenneth, voluntário no Madagascar

Voluntários no Uruguai

Bruno (à esquerda), voluntário na Itália

Voluntários no Chile

Cynthia, voluntária nas Honduras

Este ano recomeço a minha vida acadêmica com um único objetivo, ser em alguns anos médico. Tenho certeza que as coisas que eu vivi durante este ano como voluntário, foram uma forma de Deus me preparar não só para ser um bom médico no futuro mas também ajudar todas as pessoas que eu puder ajudar desde a minha igreja até qualquer pessoa de qualquer religião de todo o Planeta! Isso realmente vale a pena!

Despedida da Divisão Sul-Americana

WordPress Video Lightbox