Igreja Adventista do Sétimo Dia – Institucional

Por que os adventistas participam em reuniões da ONU?

O que Deus diz sobre a unidade?


Por Ganoune Diop, diretor do Departamento de Assuntos Públicos e Liberdade Religiosa da Associação Geral

Os adventistas do sétimo dia me despejam questões quando descobrem que eu representei a Igreja Adventista nas Nações Unidas e em reuniões de organizações ecumênicas cristãs.

“Como exatamente os adventistas veem a unidade cristã, as relações e o ecumenismo?”, eles perguntam. “Por que os adventistas escolhem aceitar e manter o estatuto e não os membros entre as organizações ecumênicas cristãs? Por que os adventistas escolhem se misturar com outros cristãos e não cristãos enquanto se abstêm de se tornar membros de entidades cristãs organizadas e religiosas ecumênicas?”

Minha resposta é simples: é legítimo que todas as pessoas de boa vontade se unam para salvar vidas, proteger vidas e afirmar a importância e a sacralidade da vida. É ainda urgente que todas as pessoas se associem para tornar este mundo um lugar melhor para todos os seres humanos, contribuindo para uma saúde melhor, educação e trabalho humanitário em toda a dignidade, liberdade, justiça, paz e fraternidade.

Como se relacionar com os outros

A cofundadora da Igreja Adventista do Sétimo Dia Ellen G. White oferece conselhos práticos sobre a arte e ciência de se relacionar com cristãos de outras denominações. Aqui estão três conselhos:

  1. Não denuncie outras denominações. “Quando alguns que têm falta do Espírito e o poder de Deus entram em um novo campo, começam a denunciar outras denominações, pensando que podem convencer as pessoas acerca da verdade por apresentar as incoerências das igrejas populares. Pode parecer necessário em algumas ocasiões falar dessas coisas, mas em geral cria preconceito contra a nossa obra e fecha os ouvidos de muitos que poderiam de outra maneira ouvir a verdade. Se esses instrutores estivessem intimamente ligados a Cristo, teriam a sabedoria divina para saber como aproximar-se do povo” (Testemunhos para a Igreja, v. 4, p. 535).
  2. “Não devemos, ao entrar em um lugar, levantar barreiras desnecessárias entre nós e outras denominações, especialmente os católicos, de modo que eles pensem que somos seus inimigos declarados. Não devemos criar desnecessariamente um preconceito em seu espírito com o fazer-lhes um ataque. Muitos há entre os católicos, que vivem incomparavelmente mais segundo a luz que têm, do que muitos que professam crer na verdade presente, e Deus os provará tão certamente como nos tem provado a nós” (Manuscrito 14, 1887; Evangelismo, p. 144).
  3. “Alegamos possuir maior soma de verdades do que as outras igrejas; porém, se essa convicção não conduzir a maior consagração de nossa parte e a uma vida mais pura e mais santa, de que proveito será? Melhor seria nesse caso que nunca tivéssemos recebido a luz da verdade do que, professando aceitá-la, não sermos por ela santificados” (Testemunhos para a Igreja, v. 5, p. 620). Todos os serviços e atividades da Igreja Adventista do Sétimo Dia procuram promover vida — e vida em abundância. No cumprimento da missão da igreja, os adventistas se misturam com outras organizações cristãs. Em referência à sua posição em organizações cristãs mundiais, a Igreja Adventista tem mantido o estatuto de observador em reuniões e tem estado aberta a ser parceira de outras igrejas em áreas que não comprometem sua identidade, missão e mensagem. A regra de ouro é não segurar a condição de membros em qualquer entidade ecumênica que erradique ou apague a voz adventista distintiva em referência à soberania de Deus, o Criador, o sábado e a segunda vinda de Jesus.
Em princípio, os adventistas escolhem não estar envolvidos em alianças doutrinais com outras igrejas por causa da adesão adventista com uma abordagem holística e integrada com as doutrinas bíblicas que os adventistas consideram ter sido marginalizadas, alteradas ou esquecidas no curso da história da igreja.

Dito isso, a unidade não é uma palavra ruim. Os adventistas valorizam a unidade assim como Deus valoriza. A unidade é fundamentada na existência de Deus Pai, Deus Filho e Deus Espírito Santo. Os adventistas promovem a unidade para o bem da missão, para que Cristo seja conhecido por todos os grupos étnicos, línguas, tribos e nações. Os cristãos também podem se unir para tornar o mundo um lugar melhor através da promoção de saúde, educação, trabalho humanitário e a promoção e proteção dos direitos humanos.

Leia “O Presidente da Igreja Adventista Organiza o Primeiro Encontro com Chefe da ONU”

Mas os cristãos devem ter em mente que eles vão perder a sua principal vocação se eles não se unirem para defender e modelar os valores espirituais aterrados no evangelho eterno. As virtudes teológicas da fé, esperança e amor são supremas no mandato cristão e um presente para o mundo. Essas virtudes podem florescer melhor quando a liberdade religiosa é uma realidade. A liberdade religiosa para os adventistas é o antídoto para o ecumenismo sincretista e um chamado para abraçar a verdade com a inalienável liberdade de consciência, a liberdade de religião ou crença, liberdade de expressar publicamente suas crenças, liberdade de convidar outras pessoas a compartilhar suas convicções ou para se unir à sua comunidade de fé.

Um Olhar mais Atento no Ecumenismo

Um conjunto sutil de temas inter-relacionados na arena das relações intereclesiásticas e inter-religiosas que precisa de muita clareza é a questão da unidade, unidade visível e ecumenismo. Outras palavras são às vezes trazidas para a conversa como se elas quisessem dizer a mesma coisa. Elas são colaboração, parceria e diálogo intereclesiástico ou inter-religioso.

A palavra “ecumenismo” é usada de forma diferente em vários contextos. A palavra pode se referir à unidade entre as igrejas cristãs do mundo, mas as pessoas geralmente a usam para descrever um senso geral de relações cordiais, diálogo ou parceria para um projeto.

Historicamente, os primeiros concílios de igreja foram chamados ecumênicos no sentido de que muitas igrejas interagiram para definir a ortodoxia. Esse não é o sentido que é dado hoje. Algumas denominações, tais como as Igrejas Católica e Ortodoxa, o usam neste sentido porque acreditam que eles são os garantes da ortodoxia. Mas rotular qualquer parceria entre os cristãos como ecumenismo doutrinal pode ser desinformado, descortês e forçado. A honestidade spiritual também é necessária na identificação e avaliação do conteúdo real das relações intereclesiásticas.
Definindo Unidade

O conceito de unidade tem uma base bíblica e teológica sólida. A bênção que Deus pretendia espalhar através de Abraão e através de seus descendentes era destinada a todas as famílias da terra. Deus quer que todo o Seu povo experimente a unidade doutrinária.

Isso nunca se materializou no meio do Seu povo da aliança, Israel. A crença na ressurreição dos mortos, por exemplo, não era compartilhada por todos os israelitas. O Novo Testamento menciona que os saduceus não acreditavam na ressurreição dos mortos. Hoje, a unidade é entendida de forma diferente entre as várias igrejas cristãs. Para os católicos, por exemplo, a unidade inclui o conceito da comunhão dos santos, ou seja, tanto os que estão vivos quanto os que estão mortos.

Na Enciclopédia Católica, a comunhão dos santos é descrita como “a solidariedade espiritual que une os fiéis na Terra, as almas no purgatório e os santos no céu na unidade orgânica da mesma entidade mística sob Cristo, sua cabeça… Os participantes nessa solidariedade são chamados santos em razão do seu destino [céu] e da sua participação nos frutos da Redenção”.

Com este exemplo em mente, a unidade da igreja global só poderia ser uma realidade se todos os cristãos adotassem a visão católica ou a compreensão da realidade ou se todos os católicos desistissem de suas crenças mais profundas.

No entanto, há muita coisa que une os cristãos, começando com a fundação da própria unidade.

A unidade é cara ao coração de Deus. Todo o plano de salvação demonstra a determinação de Deus para unir sua família dividida e dispersa, que Ele criou à Sua imagem. A unidade está fundamentada no ser de Deus que é Trindade: uma unidade na Trindade.

A morte de Jesus foi proposta para reunir povos em um só. Em João 17, Jesus orou pela unidade para o bem da missão para que o mundo possa crer. O Espírito Santo foi dado para selar a unidade na missão.

Contribuições adventistas para a unidade

Os adventistas unem Deus em tudo o que Deus está fazendo no mundo pela sua salvação. Deus evangeliza (Gálatas 3:8), assim como nós. Deus tem o compromisso de unir o mundo inteiro sob o senhorio do Salvador Jesus Cristo. Nós nos unimos a Deus para cumprir Seus propósitos de erguer Deus, o Filho, para que o mundo seja salvo.

Os adventistas estão comprometidos a chamar todos os povos para fixar os olhos em Jesus (Hebreus 12:1). Eles lembram todos os cristãos do que constitui uma confissão núcleo desde os tempos apostólicos e também está presente no mais antigo credo cristão: a segunda vinda de Jesus Cristo.

O princípio que informa as relações adventistas com outros cristãos tem dois aspectos inseparáveis: verdade e liberdade religiosa. A cofundadora da Igreja Adventista Ellen G. White ressaltou isso em Atos dos Apóstolos, escrevendo: “A bandeira da verdade e da liberdade religiosa desfraldada pelos fundadores da igreja do evangelho e pelas testemunhas de Deus durante os séculos decorridos desde então, foi, neste último conflito, confiada a nossas mãos. A responsabilidade por esse grande dom repousa com aqueles a quem Deus abençoou com o conhecimento de Sua Palavra. Temos de receber essa Palavra como autoridade suprema. Cumpre-nos reconhecer o governo humano como uma instituição designada por Deus, e ensinar obediência a ele como um dever sagrado, dentro de sua legítima esfera. Mas, quando suas exigências se chocam com as reivindicações de Deus, temos que obedecer a Deus de preferência aos homens” (p. 38).

Mais fundamentalmente, os adventistas compreendem sua missão como seu nome sugere, a de destacar a verdade da Segunda Vinda como a esperança do mundo para finalmente abraçar a liberdade da morte e do mal, trazendo consigo a justiça e a paz. Essas convicções são as razões por que os adventistas enfatizam a Segunda Vinda e uma mensagem de cura.

Os adventistas compreendem as palavras de Jesus que chama Seus discípulos de “sal e luz” (Mateus 5) para também aplicar a eles.

Cada aspecto do envolvimento adventista com qualquer instituição, agência ou organização, quer eclesiástica quer política, baseia-se essencialmente na razão da existência da igreja: trazer esperança para a humanidade enredada em todos os tipos de mal. Para cumprir esta missão, os adventistas participam no método de Jesus: “Unicamente o método de Cristo trará verdadeiro êxito no aproximar-se do povo. O Salvador misturava-Se com os homens como uma pessoa que lhes desejava o bem. Manifestava simpatia por eles, ministrava-lhes às necessidades e granjeava-lhes a confiança. Ordenava então: ‘Segue-Me’” (A Ciência do Bom Viver, p. 143).

Jesus serviu as pessoas, as curou e as alimentou sem amarras. Ele as fez conhecer e sentir que elas estavam livres para escolher o seu futuro com ou sem Ele. A liberdade de consciência importa para Ele. Sem essa liberdade nenhuma aliança é genuína. Isso ocorre porque o amor não pode ser forçado.

Os adventistas e as relações intereclesiásticas Os adventistas reconhecem outros cristãos como membros genuínos do corpo de Cristo. Mas os adventistas não possuem filiação estrutural formal em organizações ecumênicas, principalmente para fins de liberdade religiosa. A participação em um corpo ecumênico que limitaria a liberdade de compartilhar suas convicções com todos os outros e, assim, poria em risco uma missão do fim dos tempos universal, como os adventistas a entendem.

Os adventistas não fazem parte de organizações ecumênicas que requerem adesão, mas eles realmente gostam do status de hóspede ou observador nas reuniões.

A parceria com outras denominações cristãs está de acordo com a visão da Igreja Adventista de outros cristãos. White, escrevendo sobre a temperança, disse isso sobre líderes em outras denominações: “Há, noutras igrejas, cristãos que estão na defesa dos princípios da temperança. Devemos nos aproximar desses obreiros, abrindo caminho para que estejam conosco lado a lado. Devemos convidar grandes homens, homens bons, para apoiarem nossos esforços em salvar o que se havia perdido” (Testemunhos para a Igreja, v. 6, p. 110).

Em referência à oração, White disse: “Nossos pastores devem tentar se aproximar dos pastores de outras denominações. Orar por esses homens e com eles, por quem Cristo está fazendo intercessão. Pesa sobre eles solene responsabilidade. Como mensageiros de Cristo, cumpre-nos manifestar profundo e fervoroso interesse nesses pastores do rebanho” (Testemunhos para a Igreja, v. 6, p 78).

De acordo com o conselho acima, a Associação Geral, o órgão administrativo da Igreja Adventista mundial, inscreveu nos Regulamentos Eclesiástico-Administrativos da Associação Geral que os líderes da igreja “reconhecem todas as agências que exaltam a Cristo diante dos homens como parte do plano divino para a evangelização do mundo, e… manter em alta estima os homens e mulheres em outras comunhões que estão engajados em ganhar almas para Cristo”.

Justificativa para rejeitar o ecumenismo

A unidade, embora claramente desejada por Deus, não é o valor supremo. A lealdade para com a verdade de Deus tem precedência.

A Igreja Adventista e várias outras denominações que não se uniram a entidades ecumênicas organizadas como doutrina se opõem ao ecumenismo como doutrina ou como um objetivo de fundir as igrejas cristãs em uma igreja mundial, que leva à perda de identidade denominacional distintiva. Além disso, os adventistas e outros crentes não aderem às alianças sincretistas que diminuiriam a importância e o peso da verdade, especialmente quando as crenças em algumas igrejas não podem estar em harmonia com a verdade bíblica revelada.

A principal preocupação dos adventistas é que eles fiquem impedidos de compartilhar as suas convicções com cada pessoa, independentemente da crença religiosa ou filosófica. Isso é fundamentalmente uma questão de liberdade religiosa. Os cristãos não podem questionar o direito à liberdade religiosa ou de crença enquanto até mesmo o mundo secular aceitou este direito humano fundamental e valor.

Conclusão
Apesar de considerar os outros cristãos como irmãos e irmãs em Cristo, o princípio que impede a Igreja Adventista mundial de ser membro de uma união organizada de igrejas como o Conselho Mundial de Igrejas é o da liberdade religiosa. A liberdade religiosa implica o direito irrestrito de compartilhar as próprias convicções religiosas e o direito de convidar outras pessoas para participar da sua própria tradição cristã sem ser acusado ou rotulado como um proselitista.

Os adventistas do sétimo dia apoiam a unidade cristã ao se unirem ao Deus Trino que está determinado a reunir as pessoas que Ele criou à Sua imagem. O propósito de todo o plano de salvação é a restauração da imagem de Deus e a reunião daqueles que Ele salva. A unidade é fundamentada em Deus. Foi com essa finalidade que Jesus Cristo veio à Terra para unir todas as famílias da terra.

A unidade doutrinária entre as igrejas cristãs é indescritível e inacessível a menos que as igrejas percam suas crenças distintas e se juntem a uma das tradições da igreja, seja ela católica, ortodoxa, protestante, anglicana, reformada, evangélica, pentecostal, seja adventista.

A liberdade religiosa ou de crença é um dom de Deus não negociável que deve caracterizar a liberdade de cada pessoa crista ou comunidade para compartilhar suas convicções com os outros, para convidar os outros a participar de sua tradição cristã. Obviamente, para o bem da missão, os cristãos podem se juntar para dar testemunho de Cristo a um mundo que precisa dEle mais urgentemente.

Ganoune Diop foi eleito diretor do departamento de assuntos públicos e liberdade religiosa da Associação Geral na Assembleia da Associação Geral em julho de 2015. Ele se tornou diretor associado do departamento e representante da Igreja Adventista para relações inter-religiosas e comunicação com as Nações Unidas em 2011.

27 maneiras como os adventistas podem encorajar a unidade cristã
Aqui estão 27 aspectos da unidade cristã nos quais os adventistas podem legitimamente participar.
  1. Unidade na confiança da visão cristã de Deus, um Ser Supremo que está aberto aos seres humanos, um Deus que é amor e que ama os seres humanos que Ele criou à Sua imagem. Unidade na convicção de ser amado por Deus.
  2. Unidade na necessidade de ter a mente de Cristo.
  3. Unidos em identidade comum: uma nova humanidade recriada à imagem de Jesus Cristo, para a glória de Deus o Pai, através do Espírito Santo. Unidade teológica sobre abraçar a identidade de Deus revelada na Escritura como Trindade.
  4. Unidade em um batismo no nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo.
  5. Unidos em dar o fruto do Espírito Santo (Gálatas 5).
  6. Unidos na alegria de Jesus, aquela que Jesus faz complete em todos os Seus discípulos de ontem e de hoje.
  7. Unidade na compreensão de que a nossa principal vocação é amar a Deus com todo o nosso ser e o nosso próximo como a nós mesmos.
  8. Unidos em participar na missão de Deus, que consiste em testemunhar a Cristo como Senhor e Salvador. Unidade de propósito na missão de Deus.
  9. Unidos na compreensão da realidade metafísica e na controvérsia espiritual entre o bem e o mal, Cristo e Satanás.
  10. Unidos em resistir ao mal e em abster-se de prejudicar os outros.
  11. Unidos na experiência da tribulação, no reino e na perseverança paciente que estão em Jesus (Ap 1:9).
  12. Unidade para o trabalho humanitário ou unidade para ajudar a melhorar a condição de vida dos nossos vizinhos é uma expressão de solidariedade com os nossos irmãos e irmãs em humanidade.
  13. Unidade para promover a temperança foi altamente recomendada pelos fundadores da Igreja Adventista do Sétimo Dia.
  14. A unidade na promoção de liberdade, igualdade e fraternidade é parte do mandato internacional ratificado pelas Nações Unidas.
  15. Unidade na determinação de defender a dignidade de cada pessoa, a unidade de valores, é obrigatória para aqueles que acreditam que os seres humanos são criados à imagem de Deus segundo a Sua semelhança.
  16. Unidade em estar comprometido com a não violência é parte da recusa de violar o direito das pessoas à paz e à integridade de todas as dimensões da sua personalidade.
  17. Unidade em trabalhar pela paz, pela justiça e pela reconciliação é um mandato que Jesus deu a todos os Seus discípulos em Seu famoso discurso no Sermão da Montanha. Unidade na construção da paz.
  18. Unidade em servir as comunidades para melhorar as condições de vida dos próximos. Unidade na solidariedade com a família humana é uma parte incontroversa do evangelho cristão. O amor a Deus e o amor ao próximo expressam-se de formas tangíveis ou concretas em ajudar as pessoas que estão economicamente desafiadas.
  19. Unidade em aliviar um sofrimento humano, e restaurar as pessoas para a saúde abrangente é o evangelho em ação. Era parte do ministério de Jesus como Ele não apenas proclamou as boas-novas, mas também fez as boas-novas uma realidade curando pessoas. Unidade em trabalhar pela atenção integral à saúde e pelo respeito da dignidade humana é parte do ministério de restauração que é o objetivo da salvação.
  20. Unidade na promoção da temperança é parte da educação para a responsabilidade.
  21. Unidade na promoção da vida. Este tipo de unidade pode desenhar um amplo consenso e trazer as pessoas de boa vontade e compaixão de várias origens filosóficas e religiosas.
  22. Unidade na defesa da sacralidade de cada pessoa.
  23. A unidade das igrejas em missão para o bem de elevar Jesus Cristo diante do mundo parece encontrar consenso entre os cristãos de várias denominações. O milagre da parceria na missão já tem uma base sólida entre denominações históricas e mais recentes. Essa unidade para o propósito de testemunhar de Cristo não deve levar a subestimar as diferenças doutrinárias.
  24. Unidade em praticar e pregar os ensinamentos de Jesus Cristo (Bem-aventuranças).
  25. Unidade em estar protegidos e cuidados por Deus (A Oração do Senhor).
  26. Unidade na rejeição da prática de parcialidade (Tiago 2).
  27. Unidade em ser submetidos a Deus e contra os conflitos, a violência e as guerras (Tiago 4).
6 Zonas de Perigo para a Unidade
Compromisso pelo bem da unidade significaria perda de identidade nessas seis áreas. Os adventistas estão decididos a não sacrificar suas convicções fundamentais pelo bem da unidade.

1. Unidos em estar fundamentados nas Escrituras, como revelação do caráter de Deus e vontade absoluta. Unidade epistemológica. A centralidade da Bíblia como uma fonte de revelação do caráter, da vontade e dos propósitos de Deus é primordial para os adventistas do sétimo dia.
2. Unidos em nossa fidelidade à verdade bíblica como a única fonte de doutrinas: Unidade Doutrinária.
3. Unidos em viver e proclamar as três mensagens angélicas: temer a Deus, dar-Lhe glória e adorá-Lo com fidelidade firme (unidade profético-escatológica).
4. Unidos em comunhão com o Sumo Sacerdote Celestial. Os adventistas têm sido particularmente confiados com a verdade da alta função sacerdotal de Jesus Cristo.
5. Unidos na esperança abençoada da Segunda Vinda e na expectativa do Rei dos reis e Senhor dos senhores que trará com Ele cura complete, justiça, paz e comunhão eternal.
6. Unidos em fazer parte do movimento de resistência do fim dos tempos, pessoas determinadas a adorar somente a Deus, independentemente do que essa posição possa lhes custar. Este é o lugar onde a liberdade desempenha um papel fundamental. A liberdade religiosa é um antídoto para o ecumenismo eclesiástico não baseado na verdade e na liberdade. Os adventistas valorizam a liberdade fundamental da liberdade religiosa, que inclui a liberdade de promover e propagar a própria fé para todo mundo, em qualquer lugar e em qualquer momento, sem coerção, intimidação ou manipulação.

Ganoune Diop, diretor do Departamento de Assuntos Públicos e Liberdade Religiosa na Associação Geral, serviu como representante da igreja junto às Nações Unidas por quatro anos. Imagem Jorg Hackemann / Shutterstock.com
WordPress Image Lightbox Plugin