Escola Sabatina

Lição 2 – Abraão: o primeiro missionário

» Resumo da lição em Vídeo

Domingo | Segunda | Terça | Quarta | Quinta | Sexta

VERSO PARA MEMORIZAR:

“Considerem o exemplo de Abraão: ‘Ele creu em Deus, e isso lhe foi creditado como justiça’. Estejam certos, portanto, de que os que são da fé, estes é que são filhos de Abraão. Prevendo a Escritura que Deus justificaria pela fé os gentios, anunciou primeiro as boas-novas a Abraão: ‘Por meio de você todas as nações serão abençoadas’” (Gl 3:6-8, NVI).

Leituras da Semana:Gn 12:1-3; 14:8-24; Hb 11:8-19; Gl 3:6; Gn 12:6, 7; 18:18, 19

Não é coincidência que as três principais religiões do mundo – judaísmo, cristianismo e islamismo – sejam às vezes chamadas de “religiões abraâmicas”. Isso ocorre porque as três, de uma forma ou de outra, reconhecem suas raízes nesse grande homem de Deus.

Embora Abraão seja admirado como o exemplo máximo de fidelidade, a lição desta semana examinará essa fidelidade a partir de um ângulo diferente. Isto é, desejamos meditar nele como missionário, como alguém chamado pelo Senhor para ir a outra terra e testemunhar às pessoas a respeito do verdadeiro Deus, o Criador e Redentor.

Deus teve para com Abraão e sua família depois dele (ver Gl 3:29) um triplo propósito: (1) que fossem os recebedores e guardiões da verdade a respeito do reino de Deus, que havia sido perdida na história anterior da humanidade; (2) que fossem o canal por meio do qual o Redentor entraria na História; e (3) que fossem, como fiéis servos de Deus, uma luz para as nações e para aqueles que precisavam conhecer o Senhor.

Domingo – O chamado de Abraão

“Ora, disse o Senhor a Abrão: Sai da tua terra, da tua parentela e da casa de teu pai e vai para a terra que te mostrarei; de ti farei uma grande nação, e te abençoarei, e te engrandecerei o nome. Sê tu uma bênção! Abençoarei os
que te abençoarem e amaldiçoarei os que te amaldiçoarem; em ti serão benditas todas as famílias da terra” (Gn 12:1-3).

Abrão, cujo nome significava “pai exaltado” e que teve seu nome mudado para Abraão, “pai de multidões”, cresceu em Ur, no território que hoje pertence ao Iraque. Deus o chamou para que se separasse do contexto social e espiritual que lhe
era familiar e se mudasse para uma terra desconhecida, onde efetuaria nele uma renovação espiritual no espaço de 100 anos, transformando-o no “pai dos fiéis”. Em meio a lutas pessoais e familiares, Abraão se tornou um missionário-modelo
para vários grupos de pessoas e um líder respeitado que deu testemunho de sua fé em Deus.

1. Que princípios você pode encontrar em Gênesis 12:1-3 que podem ser aplicados à nossa situação? O que Abraão experimentou e nós também podemos experimentar em nosso próprio modo de viver? Ver também Hebreus 11:8-10.

O patriarca foi chamado a deixar para trás o passado, dar um passo de fé, crer no que parecia ser inacreditável e fazer o que Deus o chamava a fazer. Como resultado de sua fidelidade, todas as nações da Terra seriam abençoadas.

Muitos de nós somos provados como Abraão foi. Talvez não ouçamos a voz de Deus falando diretamente a nós, mas Ele nos chama pelos ensinos de Sua Palavra e pelos eventos de Sua providência. Talvez seja necessário abandonar uma carreira
que promete riqueza e honra; possivelmente tenhamos que deixar relacionamentos agradáveis e vantajosos e nos separar de familiares; talvez tenhamos que entrar no que parece ser apenas uma senda de negação própria, dificuldades e sacrifícios. Mas, se fomos chamados a isso, como podemos recusar?

Em hebraico, o texto diz literalmente: “E Deus disse a Abrão: ‘Sai, por ti mesmo, de tua terra. […]’” Ele devia sair por si mesmo, isto é, por sua própria causa. Como devemos entender o significado disso, e como podemos aplicá-lo a nós?

Segunda-feira – O testemunho de Abraão para os reis

Ló era parente de Abraão e o acompanhou em algumas de suas viagens. Sua escolha do vale do Jordão, bem regado, o colocou na companhia dos homens ímpios de Sodoma (Gn 13:1-13). Foi resgatado, primeiramente por Abraão (Gn 14:11-16), e mais tarde por dois anjos (Gn 19).

Quando Abraão ficou sabendo que seu parente Ló estava com problemas, decidiu ajudá-lo. Ao resgatar Ló, Abraão comandou uma força militar de mais de 300 homens de sua própria casa. Numerosos reis estiveram envolvidos na batalha por Sodoma, e Abraão saiu vitorioso!

2. Leia Gênesis 14:8-24. O que os atos de Abraão dizem sobre seu caráter e, consequentemente, sobre sua fé e seu Deus?

Para os reis sobre os quais obteve a vitória, Abraão revelou o poder de Deus. Mesmo durante essa missão de resgate, o “pai dos fiéis” não perdeu seu chamado divino para ser uma bênção às nações. “O adorador de Jeová não somente havia
prestado um grande serviço, mas mostrou-se um homem de valor. Viu-se que a justiça não é covardia, e que a religião de Abraão o tornava corajoso ao manter o direito e defender os oprimidos. Seu heroico ato conferiu-lhe uma grande influência entre as tribos vizinhas. Quando Abraão retornou, o rei de Sodoma saiu com seu séquito para honrar o vencedor. Rogou-lhe que tomasse os bens, pedindo apenas que os prisioneiros fossem restituídos. Pelos costumes da guerra, o despojo pertencia aos vencedores; mas Abraão não havia empreendido essa expedição com o objetivo de obter lucro, e recusou tirar vantagem daquele que fora infeliz, estipulando apenas que seus aliados recebessem a parte a que tinham direito” (Ellen G. White, Patriarcas e Profetas, p. 135).

Pense no seu comportamento em relação ao próximo nos negócios e em outras áreas. Que tipo
de testemunho você apresenta sobre sua fé?

Terça – Exemplo de fé

Embora não fosse perfeito, Abraão foi um homem de Deus, e é muitas vezes usado na Bíblia, até mesmo no Novo Testamento, como exemplo de fidelidade e do que significa ser salvo pela fé (ver Gn 15:6; Gl 3:6).

3. O que Hebreus 11:8-19 nos diz sobre Abraão e sua fé que é tão importante para alguém que deseja ser missionário para Deus em qualquer área de atuação?

O Senhor desejava usar Abrãao, mas a primeira coisa que Ele precisava era fazer com que o patriarca deixasse seu passado para trás. A lição dessa história deve ser óbvia para todos, especialmente os que não têm um passado em harmonia com a
vontade e a lei de Deus, o que na verdade inclui todos nós.

Também é impressionante o fato de que, embora Abraão tivesse partido, foi “sem saber aonde ia” (Hb 11:8). Embora a maioria dos missionários saiba para onde está indo, pelo menos num sentido geográfico, na verdade não sabemos (pelo menos em curto prazo) onde iremos parar (ainda que, em longo prazo, tenhamos absoluta certeza). Se soubéssemos, não seria preciso muita fé; portanto, esse desconhecimento é um pré-requisito para se viver verdadeiramente pela fé.

Outro ponto crucial é que Abraão esperava “a cidade que tem fundamentos, da qual Deus é o arquiteto e edificador” (v. 10). O patriarca conservou em mente o quadro mais amplo. Ele sabia que valeria a pena enfrentar lutas, dificuldades e
tudo mais para concluir a jornada da fé.

Sabia, também, que não era apenas um estrangeiro na “terra prometida”, mas um dos muitos “estrangeiros e peregrinos sobre a Terra” (v. 13). Este mundo, e nossa vida nele, por mais preciosos que nos pareçam agora, não constituem, nem de
longe, a totalidade do quadro.

E, é claro, o maior exemplo de fé no Antigo Testamento foi o que Abraão se dispôs a fazer com seu filho no Monte Moriá por ordem de Deus.

Você já experimentou o significado de dar um passo de fé? Quais dificuldades enfrentou? Que
alegrias viveu? Sabendo o que você sabe agora, o que poderia ter feito de modo diferente?

Quarta – Abraão, o peregrino

Um estudo da vida de Abraão revela que sua fé incluiu diferentes lutas contra a dúvida e a incredulidade com respeito ao poder de Deus. Os ancestrais de Abraão eram idólatras (Js 24:2), e talvez esse contexto explique por que ele nem
sempre teve plena confiança no poder de Deus. Duas vezes ele mostrou covardia e pediu que Sara contasse apenas meia-verdade (Gn 12:11-13; 20:2). Ele riu (Gn 17:17) quando lhe foi dito que teria um filho com Sara. Apesar de suas falhas,
Abraão ainda assim foi usado pelo Senhor, porque desejou ser usado por Ele e, dessa forma, o Senhor foi capaz de moldar seu caráter.

Um dos meios que Deus usou para transformar Abraão num reformador e missionário foram suas muitas peregrinações. O ato de viajar é uma forma de educação. Ele torna a pessoa aberta a novas ideias e a possibilidades de mudança.

As peregrinações para Jerusalém eram uma parte importante e exigida no culto israelita. As mudanças que os peregrinos experimentavam quando tinham que andar por longas distâncias, dormir em outros lugares, comer comidas diferentes, enfrentar outro clima e conhecer outras pessoas evidenciavam sua vulnerabilidade e, assim, aperfeiçoavam sua fé. Seu culto, com sacrifícios e ofertas, danças sagradas e recitação de salmos, ajudavam o povo de Deus a confirmar
sua identidade e suas tradições.

Nas viagens que fez desde sua terra natal, em Ur, até o local de seu sepultamento, em Hebrom, Abraão visitou pelo menos 15 diferentes áreas geográficas. A maioria dos episódios importantes e de mudança em sua vida estão ligados às suas viagens.

4. Quais são algumas das lições espirituais que Abraão obteve nos seguintes locais?
Moré, em Siquém (Gn 12:6, 7):
Hebrom (Gn 13:18–14:20):
Manre (Gn 18:1, 20-23):
Monte Moriá (Gn 22:1-14):

Quinta – Abraão: um missionário em sua própria casa

5. “’Abraão será o pai de uma nação grande e poderosa, e por meio dele todas as nações da Terra serão abençoadas. Pois Eu o escolhi, para que ordene aos seus filhos e aos seus descendentes que se conservem no caminho do Senhor, fazendo o que é justo e direito, para que o Senhor faça vir a Abraão o que lhe prometeu’” (Gn 18:18, 19, NVI). Que importantes lições sobre a fidelidade e o serviço a Deus encontramos nesses versos?

“Deus chamou Abraão para ser ensinador de Sua palavra, e o escolheu para ser o pai de uma grande nação, porque viu que instruiria aos filhos e à sua casa nos princípios da Sua lei. O que dava poder ao ensino de Abraão era a influência
de sua própria vida. Sua grande casa consistia em mais de mil pessoas, muitas das quais chefes de famílias, e não poucos recém-conversos do paganismo” (Ellen G. White, Educação, p. 187).

As atividades missionárias terão mais sucesso quando forem apoiadas por uma vida familiar em harmonia com os desígnios de Deus. A história bíblica e a história eclesiástica nos dizem que a maioria das igrejas cristãs primitivas era estabelecida no lar e na família. Uma das razões pelas quais Abraão foi escolhido foi que Deus viu sua capacidade de dirigir seus filhos e sua casa no caminho do Senhor. O propósito de Deus na família equivale a Seu propósito nas missões, isto é, “fazer o que é justo e certo” (Pv 21:3, NVI).

6. Que exemplos da família de Abraão mostram que eles eram fiéis ao Senhor? Hb 11:11, 20

Na Bíblia também podemos encontrar exemplos de homens piedosos cuja família não seguiu o caminho do Senhor. Contudo, a ideia principal dos textos bíblicos de hoje é clara: a fé que Abraão teve e seu exemplo foram tão fortes que os que
moravam em sua casa aprenderam a guardar “o caminho do Senhor” (Gn 18:19).

Guardar “o caminho do Senhor”. O que essa frase significa para você? Como devemos guardar
o caminho do Senhor?

Sexta – Estudo adicional

“Deus chamou Abraão, fez com que ele prosperasse e o honrou; e a fidelidade do patriarca foi uma luz para o povo em todos os países de sua peregrinação. Abraão não se excluiu do povo ao redor dele. Manteve relacionamento amistoso
com os reis das nações, por alguns dos quais ele era tratado com grande respeito; sua integridade e abnegação, seu valor e benevolência, estavam representando o caráter de Deus. Na Mesopotâmia, em Canaã, no Egito, e mesmo aos habitantes
de Sodoma, o Deus do Céu foi revelado por meio de Seu representante” (Ellen G. White, Patriarcas e Profetas, p. 368).

Perguntas para reflexão

1. Por milhares de anos a história de Abraão e Isaque no monte Moriá tem eletrizado e desafiado os fiéis, e ao mesmo tempo suscitado desprezo e ridículo entre aqueles que o têm visto como um ato de crueldade e barbárie. Leia novamente
a história em Gênesis 22. Que grandes lições podemos tirar dela?
O que ela nos ensina sobre a cruz e o terrível custo do pecado? O que ela nos ensina sobre o que está envolvido em um salto de fé? Por que a história é tão perturbadora para muitos?

2. Leia Gênesis 12:11-13 e Gênesis 20:2, relatos em que Abraão, homem de Deus, mostrou falta de fé. Que lições podemos tirar dessas histórias?

3. Um dos mais famosos textos da Bíblia é Gênesis 15:6. O que ele diz? Em que contexto ele é apresentado? Como o texto é usado no Novo Testamento (ver Rm 4:3; Gl 3:6; Tg 2:23)? O que ele nos ensina sobre fé, obras e salvação?

4. Quais líderes religiosos da Bíblia tiveram algum membro da família que não seguiu o “caminho do Senhor”? O que podemos aprender da história deles que pode ajudar alguém que esteja procurando levar os membros de sua família à
fidelidade ao Senhor?

Respostas sugestivas:1. Deus pode pedir que deixemos tudo para trás e, confiando nEle, iniciemos uma etapa nova e desconhecida em nossa vida, porém se Ele pedir que façamos isso, é para que nos tornemos uma bênção aos outros. 2. Abraão era alguém sempre pronto a socorrer e defender os oprimidos, não agia movido pelo desejo de ganho pessoal nem tirava vantagem do infortúnio de outros. 3. A fé que Abraão teve foi demonstrada quando ele deixou para trás sua maneira de viver, ao sair sem saber aonde ia e o que o futuro lhe reservava, ao ter em vista a vida eterna e considerar-se alguém que estava neste mundo só de passagem; porém, o supremo exemplo de fé foi entregar a Deus o que de mais precioso tinha, seu filho, e continuar confiando nEle. 4. Em Siquém, Abraão acreditou em Deus quando Este lhe fez a promessa de que daria à sua descendência aquela terra (ele não tinha filhos); em Hebrom, confiou em Deus ao sair contra os captores de Ló, e Deus lhe concedeu a vitória; em Manre, quando o Senhor lhe disse que iria destruir Sodoma, Abraão teve fé e fez perguntas a Deus a fim de entender melhor Seu propósito e, ao mesmo tempo, interceder por Sodoma; no monte Moriá, Abraão teve fé para obedecer à ordem divina de sacrificar seu filho, o herdeiro da promessa. 5. Deus escolheu Abraão como missionário porque ele viveria os princípios divinos e os ensinaria aos seus descendentes. 6. Sara e Isaque são citados entre os heróis da fé. Também podemos citar Jacó e vários dos seus descendentes.
WordPress Video Lightbox Plugin