Associação Ministerial

História

A Associação Ministerial foi formada por ato da Sessão da Associação Geral, no dia 26 de maio de 1922, com uma carta para reunir informações relativas ao trabalho e problemas dos ministros, para formar um meio de compartilhar essas informações e para estimular homens jovens que foram treinados para o ministério. Ela foi organizada como uma associação, em vez de um departamento, porque serve aos ministros em todos os níveis da organização da igreja, incluindo aqueles que ministram em outros departamentos.

A.G. Daniells, que tinha sido Presidente da Associação Geral por 21 anos, foi escolhido como o primeiro Secretário Ministerial. A recém criada Associação Ministerial entusiasticamente deu primeira prioridade à fé pessoal do ministro em Cristo. Daniells começou o trabalho da Associação Ministerial, viajando extensivamente de 1923 a 1925 pelas regiões sudoeste, oeste e noroeste dos Estados Unidos. Pelo fato de ter servido na Nova Zelândia, Daniells não esteve presente na Sessão de 1888 da Associação Geral em Mineápolis, onde a justificação pela fé foi enfatizada. Enquanto estudava o assunto, ele se deparou com um artigo escrito por Ellen White pouco antes da conferência de 1888. O artigo começava assim: “A maior e mais urgente de todas as nossas necessidades é um reavivamento da verdadeira piedade entre nós. Buscá-lo deve ser nosso primeiro trabalho” (Review and Herald, 22 de março de 1887, citado no livro Serviço Cristão, p. 41). O mesmo artigo mais adiante fazia uma pergunta perspicaz: “Você vai impedir a entrada do nosso abençoado Salvador porque não está preparado para Sua presença?”

Daniells sustentou que não permitiria que isso acontecesse em sua própria vida. Estudando as questões de 1888 longa e intensamente, ele gradualmente sentiu que estava se aproximando mais do que nunca de seu Senhor. A justificação pela fé se tornou para ele uma realidade gloriosa e uma experiência pessoal com Jesus Cristo.

Em 1926, ele tinha preparado uma compilação dos escritos de Ellen White intitulada Cristo, nossa Justiça – o primeiro livro da Associação Ministerial – que se tornou o livro-texto para institutos organizados no mundo inteiro. O reavivamento seguiu o rastro dessas reuniões. Indivíduos como L.E. Froom, Meade MacGuide, Taylor Bunch e Carlyle B. Haynes entenderam o espírito de reavivamento de Daniel, aceitaram sua ênfase sobre justificação pela fé e multiplicaram a ênfase dele em seus próprios ministérios.

Falando de um relacionamento íntimo com Jesus, Daniells escreveu para L. E. Froom em 1927: “Durante quarenta longos anos, o Senhor esteve procurando levar-nos àquela experiência pentecostal, a fim de preparar-nos para a eficiência na evangelização, mas temos caído numa armadilha após outra, e assim invalidamos o propósito do Senhor. O institucionalismo, o administracionismo, o financialismo e o missionismo estrangeiro – um após outro nos tem prendido de tal maneira que nunca chegamos ao batismo do Espírito, a questão mais importante de todas”.

Em 1922, Daniells tinha sido convidado para continuar as tarefas administrativas em meio-período como secretário de campo para a Associação Geral, juntamente com sua nova missão como Secretário da Associação Ministerial. Em 1926, ele desistiu do posto administrativo porque a Associação precisou dele em tempo integral. No mesmo ano, L. E. Froom e Meade MacGuire se juntaram a ele como Secretários Associados.

Em 1927, havia um Secretário Ministerial em cada divisão mundial. Desde o início, os seguintes indivíduos lideraram a Associação Ministerial da Associação Geral:

  • A.G. Daniells (1922-1931)
  • N.R. Dower (1966-1980)
  • I.H. Evans (1931-1941)
  • J.R. Spangler (1980-1985)
  • L.E. Froom (1941-1950)
  • W.F. Bresee (1985-1992)
  • R.A. Anderson (1950-1966)
  • J.A. Cress (1992-2009)

O atual Secretário da Associação Ministerial é Jerry Page, que foi eleito em 2010.

Os institutos pastorais tiveram suas limitações. Mesmo com três homens da Associação Ministerial  e outros recrutados para palestrar, o campo mundial não podia ser coberto adequadamente com esses eventos. Um método de comunicação escrita foi necessário.

Primeiro, eram distribuídos boletins mimeografados, que muitas vezes incluíam mensagens das instituições. Os obreiros pediam conselhos práticos e métodos bem sucedidos para suas áreas particulares de especialidade. Listas de assinatura separadas e boletins eram preparados por pastores, evangelistas, cantores evangelistas, instrutores bíblicos, capelães e assim por diante. Certamente, isto não funcionou bem, especialmente quando os ministros da maioria das áreas acessaram o que estava sendo compartilhado em cada boletim.

Em janeiro de 1928, a Associação Ministerial começou a publicar mensalmente a revista Ministry, com o objetivo declarado de aprofundar a vida espiritual, desenvolver a força intelectual e aumentar a eficiência dos pastores adventistas de ganhar almas. Desde aquela época, outros livros, publicações, cursos e revistas continuam a tradição de oferecer excelência em recursos para os pastores.

A Sessão da Conferência Geral de 1941 recomendou que um da equipe da Associação Ministerial seja “um evangelista experiente e bem sucedido” e que outro seja “um obreiro bíblico qualificado e experiente”. Para responder a essas necessidades, R. Allan Anderson e Louise C. Kleuser foram chamados para integrar a equipe ministerial.

Nos anos subsequentes, o trabalho da Associação Ministerial se expandiu para incluir a coordenação da denominação no nível de programas evangelísticos, tais como: Mission 72 (Missão 72), o Thousand Days of Reaping (Mil Dias de Colheita) e Harvest 90 (Colheita 90). Os recursos além de livros e revistas – slides, vídeos, apostilas para os participantes de seminários, recursos automatizados – expandiram a educação continuada para ministros baseada no desenvolvimento das habilidades pastorais.

Os programas de educação ministerial e teológica receberam sugestões do Departamento de Educação e da Associação Ministerial da Associação Geral, e a implementação de exigências educacionais mínimas para o ministério, os estágios baseados no campo, a tutoria de pastores jovens e a avaliação da efetividade têm sido encorajados.

Áreas adicionais têm sido acrescentadas ao papel da Associação Ministerial, incluindo alcançar o clero de outras denominações no companheirismo e coleguismo, nutrindo e motivando as esposas dos pastores como parceiras efetivas no ministério em equipe, e o treinamento de anciãos leigos, que provêem o ministério de primeiro contato para membros da igreja adventista local em muitos países.

Acima de tudo, o ministro precisa de tanta ajuda hoje para reavivar um relacionamento pessoal com Jesus e ser um ganhador de almas bem-sucedido quanto quando a Associação Ministerial começou.

No cumprimento desses objetivos gerais, a Associação Ministerial se concentra em quatro grupos distintos de indivíduos:

  • Pastores adventistas do sétimo dia
  • Esposas e famílias de pastores adventistas do sétimo dia
  • Anciãos das igrejas adventistas do sétimo dia locais
  • Pastores de outras denominações

As áreas específicas de ênfase incluem:

  • Estimular o coleguismo, a educação e o apoio aos pastores
  • Enfatizar o encorajamento e a educação das esposas e famílias dos pastores
  • Priorizar o evangelismo e o crescimento da igreja
  • Desenvolver a educação continuada no campo
  • Melhorar o treinamento nas aulas para os alunos ministeriais
  • Treinar os anciãos das igrejas locais
  • Publicar da Ministério, da AFAM e Revista do Ancião
  • Produzir outros recursos que melhorem o conhecimento ministerial
  • Expandir o companheirismo interdenominacional com o clero de todas as denominações
  • Marcela Gomes Petronetto Canal

    Gostaria de baixar o livro, mas está dando erro.

WordPress Lightbox